Posts Tagged ‘ tipos de letra

OpenType em quase todos os navegadores

Felizmente já quase todos os navegadores de internet suportam fontes web, o que é de facto um enorme passo em termos de criação web, bem como da sua integração entre aquilo que o designer elabora e aquilo que o utilizador visualiza. Infelizmente, porém, nem todos os navegadores web que suportam a integração dos tipos de letra, suporta da mesma forma e com a mesma integração. Por exemplo, muito poucos suportam as capacidades avançadas como é por exemplo, o uso de determinados recursos existentes nos tipo de letra OpenType, como ligaduras padrão e discricionária, suplentes contextuais, minúsculas em caixa alta, frações, floreados e muito mais. Torna-se assim demasiado importante que tenha em mente qual o principal navegador utilizado pelo seu público alvo de forma a seleccionar corretamente o navegador mais adequado e assim, proporcionar ao utilizador uma visualização mais adequada daquilo que você imagina, daquilo que você está a idealizar. Pode por exemplo utilizar a página do can i use para saber quais os navegadores mais compatíveis com aquilo que deseja criar, utilizar. É importante, no entanto, saber que suporte a fontes OpenType é diferente do suporte a recursos de fontes OpenType.

As fontes OpenType podem ou não ser colocadas dentro de um recipiente WOFF (Web Open Font Format). WOFF (Web Open Font Format) é um formato de fonte baseado na estrutura de arquivo .sfnt (usada em fontes TrueType e OpenType) e projetado especificamente para o uso na web através da declaração @font-face. Em suma, uma fonte WOFF é uma versão alterada de uma fonte TrueType ou OpenType.

Voltando às Opentype. O exemplo que se segue apresenta um conjunto de caracteres com e sem ligaduras padrão.

ligaduras

Já o exemplo abaixo usa ligaduras discricionárias numa combinação entre os caracteres ‘st’ normais.

ligaduras

As cadeias de texto e códigos de caracteres em HTML permanecem na mesma, independentemente de quais os recursos a serem utilizados na fonte OpenType. Todos os recursos podem ser controlados normalmente através de um estilo, geralmente a partir do arquivo CSS.

Como referi anteriormente, nem todos os navegadores possuem de momento um completo suporte para a integração destes novos recursos disponíveis nas fontes OpenType, porém, como todo o outro lado da moeda, também não é menos verdade que cada nova versão disponibilizada por cada um dos principais navegadores web, esse mesmo tipo de integração vai aumentando exponencialmente, o que quer dizer que estamos todos caminhando no rumo certo, aliás, só não estamos mais evoluídos porque como todos sabem, demora-se por vezes demasiados anos a expulsar os navegadores mais antigos. Por exemplo, e apenas a título de curiosidade, este blogue, segundo pude visualizar agora mesmo, é ainda visitado por utilizadores com as versões 5.0 do Internet Explorer, ou por exemplo a versão 1 do Firefox, ou pior ainda, com versões 3 do famoso Netscape, já extinto desde 2007. Tudo isto tem impedido o amplo uso dos recursos OpenType na Web. Read more

Estudo de Caso: Design Timberland

Este estudo de caso do design timberland e das suas opções tipográficas é, a meu ver, uma forma ousada de seleccionar o peso do caracteres no seu contexto.

Há já mais de três décadas que o design Timberland nos tem habituado a uma qualidade bastante acima da média no que ao calçado especializado diz respeito. A empresa, emprega, atualmente mais de 5.000 pessoas.

A página oficial da empresa apresenta além de um atrativo design, uma excelente implementação tipografica na sua página principal. No espaço de manchete com imagens rotativas, sobrepõem-se de forma ousada elementos tipográficos da família ITC Lubalin e, a apoiar esses mesmos titulos segue-se a gótica N.º 20 Bold Condensed da coleção Trade Gothic. Ambas as tipografias. Ambos os tipos de letra são uma criação de Herb Lubalin e diretamente inspirados na família Avant Garde Gothic.

Skyfonts – O aluguer de tipos de letra

SkyFonts é o primeiro serviço de aluguer de fonte que conheço que permite que se experimente fontes durante alguns minutos de graça, ou simplesmente, o aluguer de fontes através do uso de créditos espaços de tempo específicos.

SkyFonts foi criado com dois objetivos principais.

Primeiro, o de proporcionar aos designers uma melhor maneira de experimentar com o tipo antes de fazer uma compra.

Em segundo lugar, introduzir um modelo de aluguer que permite aos projetistas pagar único tipo de letra sem terem de adquirir toda a família.

A equipa da Skyfonts lançou recentemente mais de 350 fontes no atual serviço, possibilitando assim ao cliente uma selecção de mais de 2.000 tipos de letra de alta qualidade. Entre eles, encontram-se alguns dos nomes maiores da tipografia como Abadi Monotype, a Neo Sans, Rockwell e famílias Soho e Avenir Linotype, o Eurostile, Frutiger e Univers, entre muitos outros.

A fonte Chocolate

Esta caligrafia foi realizada com e em chocolate e serviu de base para um mailling promocional que continua a fazer efeito ;) para o cliente Importaco.

Chocolate Script from martinezestudio on Vimeo.

O projeto é do estúdio de Maria Martínez, onde poderam obter mais informações acerca desta campanha. Aqui, apenas quero demonstrar mais um daqueles belos projetos que se podem fazer com um qualquer tipo de letra e.. neste caso, porque é Natal, porque não juntar um pouquinho de chocolate à mistura!?

Not my type :(

A série animada Not My Type foi produzido inicialmente para ser difundida pela internet e, explora diferentes tipos de relacionamentos dentro de um escritório. Apesar de evitar o uso de linguagem e de diálogo, Not My Type, usa vários rostos tipográficos, símbolos e personagens de forma a criar uma produção simples, estilística, mas muito bem humorada.

Para mais informações visite a página oficial da equipa responsável: a  Lycette Bros

 

 

GutenTag Hyper-bold

A fonte GutenTag Hyper-bold, inspirada na Garamond e na caligrafia gótica é resultado de um projeto da autoria de Sebastian Gagin, um designer gráfico, com 27 anos, freelancer, argentino, natural de Buenos Aires.

 Sebastian Gagin confessa-nos possuir uma paixão enorme pelo mundo tipográfico e que, anda sempre numa busca obsessiva na procura do detalhe, da constante pergunta versus resposta, versus nova pergunta… Talvez tenha sido assim que Sebastian Gagin tenha consigo chegar à criação desta maravilhosa fonte através de um projeto académico para uma das cadeiras de tipografia da Universidade de Buenos Aires.

Mais tarde, em Novembro de 2011, precisamente há um ano, fez parte integrante de uma exposição denominada “La letra es el lenguaje” no Museu de Arquitectura e Desenho em Buenos Aires.

Conseguir emprego pode depender da sua caligrafia

Hoje em nada mais se ouve que não sejam más notícias, austeridade e aumento do desemprego. Assim, hoje, decidi optar por sair um pouquinho fora do tema, mas mantendo o tema no centro de qualquer das formas, ou seja, sem fugir ao tema dos tipos de letra, optei por esboçar um pouco o problema da caligrafia, da nossa caligrafia.

É de todos sabido a luta que foi, quando eramos pirralhos, nas escolas primárias, com os nossos saudosos professores, conseguir desenhar os caracteres de forma perfeita. Não diferiam muito da imagem abaixo, com todos aqueles rebuscados tão típicos da época.

Imagem: Imagens com Texto

Com o passar dos tempos a nossa caligrafia foi-se alterando, alterando ao ponto de muitas vezes ser necessário um audaz tradutor para conseguir levar a avante a perceção de apenas algumas poucas palavras. Não sei se é do stress, da falta de jeito, ou simplesmente do comodismo a que nos adaptamos.

Imagem: Disparate Verbal

Imagem: Disparate Verbal

A verdade é que a nossa caligrafia diz muito de nós e pode ser um fator determinante para a aquisição ou não de determinado emprego. Encontrar a pessoa certa e que reúna todos os requisitos necessários para determinado emprego, pode ser, aliás, é, cada vez mais um autêntico quebra-cabeças. Assim, os departamentos de recursos humanos, também conhecidos simplesmente pelas siglas RH, exigem cada vez mais das entrevistas, escarafuncham cada vez mais a nossa personalidade, mesmo que seja de forma subtil e, um dos pormenores que hoje em dia se dá especial atenção é precisamente à forma como é preenchida a ficha de candidatura, não só pelo seu conteúdo, como pela sua caligrafia.

Segundo Maria Teresa Graells Nonell, grafóloga e autora do livro Ler a sua assinatura, “a assinatura é como que uma biografia abreviada de cada um”, pois “através da análise de alguns símbolos gráficos, podemos conhecer a aptidões intelectuais do sujeito em causa, bem como obter muita informação sobre a sua inteligência e o seu nível cultural, sua forma de racionalização e que habilidade tem para tecer opiniões, fazer juízos de valores, emitir críticas, etc.” Continua Maria Teresa Graells Nonell dizendo que a assinatura de cada um “também nos diz muito sobre a sua personalidade, criatividade, ou mesmo a sua habilidade para ne gociar, comunicar e argumentar”.

Por isso, já sabe, da próxima vez que se candidatar a um novo projeto de trabalho, tenha em conta mais este elemento.

Related Posts with Thumbnails